Entre as diversas versões sobre a invenção dos vibradores contadas por historiadores, uma das principais é a de que desde a sua criação, o vibrador foi pensado para a saúde feminina. Aqui te contamos um pouco da história desse aparelho revolucionário e ainda listamos alguns tipos que podem te interessar!

De acordo com o portal Universa, um dos primeiros modelos de vibrador foi criado em 1869 pelo médico estadunidense George Taylor e tinha fins especificamente medicinais. Sim, a preocupação com a saúde das mulheres, nesse período da história, não incluía necessariamente o prazer delas. Na verdade, no século 19, acreditava-se na existência de uma doença psíquica chamada histeria, que acometia mulheres com sintomas como irritabilidade, insônia e cefaléia.

Para os médicos da época, essas ocorrências vinham do útero. Em seu canal no YouTube, o Nexo Jornal explica que por essa concepção, as mulheres diagnosticadas com histeria eram submetidas a massagens pélvicas, que só podiam ser feitas pelos próprios médicos.

O tratamento feito pela estimulação genital se popularizou ao ponto de os médicos precisarem de um instrumento para auxílio. Segundo uma publicação do portal Revista Frontal, foi assim que nasceu o aparelho vibrador mecânico, para que a massagem pélvica se tornasse mais rápida e impessoal.

Uma reportagem do portal UOL esclarece que com o desenvolvimento da medicina, o conceito de histeria foi abandonado e por isso, no começo do século 20, o vibrador também foi deixado para trás, até que voltasse - lá pela década de 1960 - como uma ferramenta de prazer para as mulheres.

Prazer antes do que se imagina

Você sabia que consolo, dildo e prótese são sinônimos? Eles possuem formato peniano realístico, entretanto sem motor de vibração. Mesmo antes dos vibradores, consolos rústicos feitos de pedra já foram achados por historiadores e arqueólogos. Os achados eram feitos de pedra, marfim e osso em diferentes países, datados até mais de 6 mil anos antes de Cristo, acredite!

Primeiro consolo ou dildo do mundo, feito de bronze e encontrado na China antiga.
Consolo de bronze encontrado nas tumbas chinesas na era da Dinastia Chan, entre 220 a.C. e 206 d.C (Reprodução)

O médico norte-americano George Taylor patenteou, em 1869, o “The Manipulator”, com funcionamento à vapor. Dez anos depois, veio a versão movida à manivela. Hoje, a indústria erótica fatura bilhões de dólares com os diferentes tipos de vibradores.

No Brasil, em 2020 o mercado triplicou o número de empreendedores, em relação ao ano anterior durante a pandemia. Na estimativa, quase oito em cada dez pessoas que empreendem no setor erótico são mulheres, ainda assim, vibradores continuam entre os produtos mais procurados. Os dados são da revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios.
O primeiro vibrador do mundo funcionava a vapor (Foto: Museu do Vibrador)
O primeiro vibrador do mundo funcionava a vapor (Foto: Museu do Vibrador)

O vibrador na atualidade

Há algumas décadas, esse ‘brinquedinho’ vem sendo apontado como um parceiro das mulheres que procuram se divertir e se descobrir sem necessariamente ter um parceiro para isso. Quem não se lembra da icônica Samantha Jones de Sex and The City falando abertamente sobre o uso de vibradores e da busca pelo prazer das mulheres?

Alguns anos após o fim dessa série, vemos diversas personalidades e influenciadoras falarem sobre os benefícios dos vibradores. Famosas como a apresentadora Angélica e a influenciadora digital Gabriela Pugliesi, por exemplo, revelaram em entrevistas e publicações em redes sociais que fazem uso desses aparelhos.

E não para por aí! O número de adeptos desse aparelho é crescente e temos como provar. Baseada nos dados do portal Mercado Erótico, a revista Veja divulgou que durante a pandemia da Covid-19 o mercado nacional de brinquedos eróticos faturou muito: em 2020,  durante os meses de março, abril e maio, foram vendidos 1 milhão de vibradores. Esse número é o dobro do das vendas do ano anterior.

O portal Dicas de Mulher listou algumas vantagens em ter um aparelho para ajudar nos momentos de prazer, entre elas a de que você pode treinar seu corpo para que ele tenha mais orgasmos, além da possibilidade de conhecer melhor algumas zonas erógenas. Hoje temos à disposição modelos dos mais variados tamanhos, formatos e preços. Vamos conhecer alguns deles?

Para diversão a dois

Quem acha que o vibrador só serve para curtir sozinha, está enganada! Modelos como o kit Golden Moments, de acordo com o site Hypeness, é feito para casais porque foi projetado para estimular o ponto G e o pênis ao mesmo tempo. Por ser à prova d’água e ter dez modos de vibração, esse vibrador tem um preço mais salgado, cerca de R$ 3.000,00.

Em seu canal, a youtuber Luana Lumertz falou sobre um modelo que atende bem às necessidades de um casal. Luana dá como exemplo o modelo partner, que estimula o clitóris e, durante a própria penetração, o pênis. Uma das vantagens que a youtuber atribuiu ao partner é que, por ele ser de encaixe, a mulher pode ficar com as mãos livres e usar em outros lugares, como nos mamilos.

A hypeness também destacou o modelo Lovense Lush Vibrador. Ele é ideal para ser aproveitado a dois, mesmo que esses dois estejam distantes. Como assim? O elemento surpresa desse vibrador é que ele pode ser controlado por um aplicativo mesmo de longas distâncias. Massa, né?

Me, myself, and I

Existe uma infinidade de modelos de vibradores que dispensam companhia. Como é o caso do modelo Lyla 2. O aparelho foi descrito em uma reportagem online da revista Istoé como o ''ovo do amor'' por causa de seu formato. Ele é operado por controle remoto e serve para massagear a vagina e o clitóris.

Um modelo que pode ser conhecido até mesmo por quem nunca usou vibradores é o Rabbit. O famoso coelhinho apareceu no filme brasileiro De Pernas Pro Ar (2010), história na qual a protagonista Alice (Ingrid Guimarães) entra no mercado de produtos eróticos e também descobre as vantagens que esses aparelhos oferecem ao bem-estar de uma mulher. Esse tipo de dispositivo leva esse nome por que tem estimulador clitoriano no formato de duas orelhas de coelho.

Escolha entre vibradores
Modelo de vibrador Rabbit. Foto por Dainis Graveris via Unsplash

A youtuber Dona Coelha falou sobre o vibrador Rabbit do modelo Dorothy em um de seus vídeos. A criadora de conteúdo contou que algumas das vantagens desse modelo são seu formato bem realístico e o fato de que ele tem dois motores independentes, ou seja, você pode usar só o estímulo da penetração ou só o estímulo do clitóris ou os dois juntos.

Para quem procura praticidade, os Bullets são a escolha ideal (esse modelo de vibrador parecem pequenas cápsulas com vibração potente, mais ou menos do tamanho de um batom). O controle da velocidade é por um botão que fica em seus corpos, porém alguns modelos possuem controle com fio e sem fio que mudam a velocidade e intensidade da cápsula vibratória.

Agora o queridinho de muitas, o vibrador ponto G. Mas o que torna ele tão especial?

Sua curvatura na ponta, especialmente criada para estimular o ponto G feminino. A ponta curvada estimula essa zona super sensível da pessoa fazendo o orgasmo acontecer mais rápido e de forma mais intensa. É recomendado para as pessoas que querem experimentar essa sensação, sendo perfeito para as mulheres mais sensíveis neste ponto.

Adeptas da masturbação, a Dedeira Vibratória também é uma ótima opção. A dedeira vibratória é também conhecida como vibrador de dedo. Seu funcionamento é simples, basta acionar um botão e encaixar a capa no dedo para começar a usar. Pode ser utilizado de forma individual ou em casal. Aliás, para aquelas que nunca tiveram, é uma boa forma de variar a masturbação causando sensações mais intensas. Perfeito para as mulheres que demoram muito para chegarem ao orgasmo na masturbação sem nenhum outro acessório.

A verdade é que existe uma grande variedade de modelos, tamanhos, preços e funções, e tudo depende da escolha da consumidora. Alguns pontos que devem ser considerados na hora de escolher seu “parceiro ideal”.

Todos tipos de vibradores
Qual é seu parceiro? Foto por Dainis Graveris via Unsplash

Formato

Alguns imitam um pênis real, e há outros mais discretos, que são feitos para se pareçam com outros objetos, como os bullets.

Velocidade

A maioria dos vibradores atualmente possuem pelo menos 3 opções de velocidade (lenta, média e rápida), então fica a dica para conferir antes de comprar o seu. Alguns ainda possuem movimentos circulares, onde a ponta do vibrador gira estimulando a área interna da vagina e o Ponto G com o movimento vai e vem, simulando a penetração que acontece durante o sexo, dando mais realismo à masturbação.

Pilhas, bateria ou recarregáveis?

Antes de comprar seu sex toy, certifique-se que você está ciente da forma como irá carregá-lo para não ter surpresas desagradáveis, como ir comprar pilha às 23:00 da noite após um ataque de tesão súbito.

Onde comprar

Agora que você já sabe qual modelo escolher, chegou a hora de comprar. Mas...Onde comprar? Segundo a CNN Brasil, o mercado de produtos eróticos cresceu 475% desde a pandemia, portanto o que não faltam são opções de lojas online com descontos, promoções e o principal: privacidade!

A maioria dos sex shops enviam para sua casa os produtos escolhidos com uma caixa discreta. Então, não se preocupe, provavelmente você não receberá seu vibrador em uma caixa rosa neon com uma foto de um pênis e com um adesivo escrito em letras maiúsculas ”SEX SHOP” (haha). Separamos algumas lojas nas quais é possível comprar com total privacidade:  Aquelas coisas, Sex Shop Inbox, Hootter e a Amazon.

Não, nós não esquecemos dele

Sim, amiga, o ânus é uma zona erógena, ou seja: dá para sentir bastante prazer por ele, já que é uma área sensível a estímulos. De acordo com a especialista em sexualidade Cátia Damasceno, é muito recomendado que as primeiras experiências de prazer na área anal sejam feitas sozinhas. O vibrador pode ajudar nisso! Em seu blog, Cátia dá algumas indicações de escolha de brinquedinhos para essa região.

Ao abordar o assunto, a  youtuber Luana Lumertz falou sobre o plug anal assimilator. De acordo com ela, este modelo pode ser tanto um aliado na preparação para o sexo anal quanto como um estímulo por si só. O plug anal assimilator possui vibrador com dez variações e é recarregável. Luana explica que o produto deve ser usado com lubrificante.

Como pudemos ver, variedade é o que não falta na hora de escolher um vibrador. Além disso, esse acessório demonstra, por meio de sua história, como o prazer feminino passou a ser visto pela sociedade de forma geral.

No entanto, como tudo que envolve o corpo humano e seu bem-estar, cautela é essencial. De acordo com uma reportagem do portal Minha Vida, o uso de produtos como vibradores deve ser feito com cuidado para que a saúde íntima da mulher não seja afetada.  Entre os cuidados indicados na reportagem estão os lubrificantes e os preservativos.

E você? Já usou um vibrador? Se interessou por algum modelo?